Aruanã





Nome Popular: Aruanã

Nome Científico: Osteoglossum bicirrhosum

Família: Osteoglossidae

Distribuição Geográfica:Bacias amazônica e Araguaia-Tocantins.

Descrição:Peixe de escamas; corpo muito alongado e comprimido; boca enorme; língua óssea e áspera, como a do pirarucu; barbilhões na ponta do queixo; escamas grandes; coloração branca, mas as escamas ficam avermelhadas na época da desova. Alcança cerca de 1m de comprimento total e mais de 2,5kg. No rio Negro também ocorre uma outra espécie O. ferreirai de coloração mais escura.

Ecologia: O aruanã vive na beira dos lagos, ao longos dos igapós ou dos capins aquáticos, sempre à espreita de insetos (principalmente besouros) e aranhas que caem na água. É provavelmente o maior
peixe do mundo cuja dieta é constituída principalmente por insetos e aranhas. Nada logo abaixo da superfície com os barbilhões projetados para a frente, mas a função dos barbilhões ainda é desconhecida. Em águas pouco oxigenadas, os barbilhões podem ser utilizados para conseguir oxigênio na superfície da água. 
O aspecto mais característico do comportamento alimentar do aruanã é a habilidade de saltar fora da água e apanhar as presas ainda nos troncos, galhos e cipós. 
Um indivíduo adulto pode saltar mais de 1 metro fora d'água. A espécie se reproduz durante a enchente, e os machos guardam os ovos e larvas na boca (os barbilhões também servem para guiar as larvas até à boca do macho quando saem para se alimentar). Os alevinos alcançam alto valor comercial como peixe ornamental.

Anóstomo



Nome Popular: Anóstodomos
Nome Científico: Anostomus anostomus (Linneu)
Origem: Guianas e Amazonas
Temperatura ideal: 22° a 29°C
Tamanho: 10cm
Descrição: Cor geral variando do oliva ao rosa-dourado, com três barras horizontais paralelas, morrom-escuro ou pretas, sendo a do meio mais escura. As nadadeiras são transparentes com bases vermelhas.

Hábitos e reprodução: Come de tudo, mas tem preferência por regime vegetariano. Como a espécie Abramites microcephalus e muitos caracídeos tem o hábito de nadar de cabeça para baixo, a um ângulo de 45°. Até hoje não se conhece o seu modo de reprodução e é praticamente impossível distinguir os sexos, se bem que Hervey e Hems digam que a fêmea se diferencia do macho pela falta de bordos dourados na barra central e pela nadadeira dorsal mas pálida.

Acará Severo



Nome popular: Acará Severo
Nome científico: Cichlasoma severum
Família: Cichlidae (Ciclídeos)
Origem: Brasil (Bacia Amazônica)
Sociabilidade: casal
Comportamento: territorial
pH: 6.7
Temperatura: 26ºC
Tamanho adulto: 20.0cm
Tamanho do aquário: 200L
Caracteristicas: Este ciclídeo de água alcalina tem um belo formato e cor mas como muitos ciclídeos não recomendo peixes muito menores que ele no mesmo aquário, mesmo sendo um aquário grande. Companheiros ideais são peixes como acará festivo, gouramis laranja e azuis (machos de preferência) e outros peixes de agressividade compatível e velozes, podendo tambem colocar peixes maiores como Oscar, Jack Dempsey, Peixe Faca, etc. Alimentar este peixe é facil: aceita flocos, bits, pellets e dar artêmias de vez em quando é muito recomendável.

Acará Disco





Nome Popular: Acará Disco
Nome Científico: Symphysodon sp.
Família: Ciclídeos
Habitat: Bacia Amazônica
pH: 5.5 a 6.8
Temperatura: 26º a 28ºC
Dureza: até 4º dH
Tamanho Máximo: 25cm
Sociabilidade: Grupo
Agressividade: Pacífico
Manutenção: Fácil
Zona do Aquário: Meio
Aquário Mínimo: 200L
Alimentação: Onívoro. Rações para ciclídeos tropicais; artêmias, larvas em geral
Características Peixe considerado o rei do aquário dulcícola, devido seu porte majestoso e cores vibrantes. Muitos aquaristas consideram sua reprodução a mais fantástica de todos peixes dulcícolas devido como ela ocorre. São peixes de comportamento muito pacífico, sendo indicado mantê-los apenas com outros Discos ou pequeno cardume de Tetras, peixes de fundo ou Ciclídeos Anões. São exigentes com relação à qualidade da água e costumam se alimentar de qualquer tipo de ração e alimentos vivos. Existem centenas de variedades e cores para todo gosto.
São peixes de fácil manutenção, com exceção de espécimes selvagens que demoram a aceitar rações e são mais susceptíveis a doenças.

Reprodução: Ovíparo. Em época de desova, o casal procurará uma superfície lisa limpando o local escolhido, onde a fêmea liberará os ovos e este será fecundado logo em seguida pelo macho. Em até 72 horas os alevinos irão eclodir e permanecerão por mais alguns dias no saco vitelínico e logo mais nadando livremente e se alimentando do muco dos pais. Os pais costumam ser bem zelosos com sua prole.

Acará Bandeira



Nome Popular: Acará Bandeira (Veja Outros Acará)
Nome Científico: Pterophyllum scalare
Família: Ciclídeos
Habitat: Bacia Amazônica
pH: 6.0 a 6.8
Temperatura: 24º a 28ºC
Dureza: até 8º dH
Tamanho Máximo: 15cm
Sociabilidade: Grupo
Agressividade: Pacífico
Manutenção: Fácil
Zona do Aquário: Meio
Aquário Mínimo: 200L
Alimentação: Onívoro. Rações em geral e alimentos vivos
Características Considerados príncipes do aquário, este peixe que muitos consideram a "cara do Brasil" são ciclídeos de médio porte que se dá bem com a grande maioria de peixes pacíficos. São resistentes e ideais para tanques comunitários. Devido seu porte elegante, é difícil encontrar alguém que nunca teve ou admira tamanha elegância. Quando formado casal ou em época de desova, tendem a serem territorialistas e agressivos com outros da mesma espécie ou mesmo outros peixes. Existem inúmeras variedades de Bandeiras sendo as mais comuns: Koi, Marmorato, Half-Black, Black, Albino, Smokey, Palhaço, etc.
Reprodução: Ovíparo. Formado o casal, estes escolherão e limparão algum local plano para a desova. A fêmea liberará ovos adesivos no local escolhido e o macho fecundará imediatamente. Em até 72h os alevinos eclodiram e permaneceram no saco vitelínico por mais 48h em média, quando já estarão nadando livremente pelo tanque sob supervisão dos pais.